Categoria Notícias

porblogartesana

Rose Rock International Finance Center o novo arranha-céu da China

O escritório dinamarquês BIG – Bjarke Ingels Group  desenvolveu mais um projeto de arranha-céu que será construído na China para entrar na disputa dos edifícios mais altos do mundo, a empresa promete no projeto levantar uma super torre de 500 metros de altura na cidade de Tianjin Binhai.

Vista áerea de como ficará o local

O nome oficial desse empreendimento arrojado será Rose Rock International Finance Center, que fará parte do novo espaço de negócios no local que substituirá as áreas industriais e marítimas da região. Essa construção será um marco financeiro nas cidades de Tianjin Binhai e  Yujiapu distrito financeiro da região, pois através do arranha-céu um novo bairro será construído englobando o uso misto, comercial e histórico da região.

Torre com volumetria piramidal remete ao estilo Art Déco

O BIG anunciou em seus projetos que a torre terá volumetria piramidal, remetendo ao estilo Art Déco – expressão francesa referente à arte decorativa, que se define como moderno, industrial, cosmopolita e exótico, inspirado no famoso edifício Rockefeller Center, em Nova York, e também lembra uma grande montanha como o Everest feito de peças lego.

“O Rose Rock International Finance Center será a cidade contemporânea chinesa que o Rockefeller Center foi para a cidade americana nos anos 30: uma paisagem arquitetônica de praças urbanas e jardins suspensos destinados a estimular e cultivar a vida entre os edifícios. Só que dessa vez, mais de mil metros mais alto”, explica o arquiteto BjarkeIngels.

O grupo Rose Rock é uma companhia familiar fundada por Steven C. Rockefeller Jr., pelo seu filho Steven C. Rockefeller III e seu sobrinho Collin C. Eckles.

O custo para a construção do empreendimento gira em torno de 2,35 bilhões de dólares.

Fonte: A/N Blog

porblogartesana

Rio de Janeiro recebe título de Patrimônio Mundial pela Unesco

O Rio de Janeiro continua lindo, só que agora a sua beleza é reconhecida pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade, na categoria Paisagem Cultural Urbana. O Pão de Açúcar, o Corcovado e a praia de Copacabana são alguns dos locais valorizados pelo título e devem receber ações integradas em prol da preservação de suas paisagens culturais.

Confira na íntegra a reportagem publicada pela revista Época:

A cidade do Rio de Janeiro recebeu neste domingo (1º) o título de Patrimônio Mundial da Humanidade, na categoria Paisagem Cultural Urbana. É a primeira do mundo a receber tal título pela Unesco. A candidatura foi aprovada durante a 36ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, que está reunido em São Petersburgo, na Rússia, desde o dia 25 de junho. As informações são do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

“Não se pode pensar no patrimônio do Brasil sem visualizar Rio de Janeiro”, declarou a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, de acordo com o Twitter da Unesco, logo após o anúncio da decisão.

A partir de agora, os locais da cidade valorizados com o título da Unesco serão alvo de ações integradas visando à preservação da sua paisagem cultural. São eles o Pão de Açúcar, o Corcovado, a Floresta da Tijuca, o Aterro do Flamengo, o Jardim Botânico e a praia de Copacabana, além da entrada da Baía de Guanabara. Os bens cariocas incluem o forte e o morro do Leme, o forte de Copacabana e o Arpoador, o Parque do Flamengo e a enseada de Botafogo.

Patrimônio Cultural da Humanidade

O conceito de paisagem cultural foi adotado pela Unesco em 1992 e incorporado como uma nova tipologia de reconhecimento dos bens culturais, conforme a Convenção de 1972 que instituiu a Lista do Patrimônio Mundial.

Até o momento, porém, os sítios reconhecidos mundialmente como paisagem cultural relacionam-se a áreas rurais, a sistemas agrícolas tradicionais, a jardins históricos e a outros locais de cunho simbólico, religioso e afetivo.

Além da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro, o Brasil conta hoje com outros 18 bens culturais e naturais na lista de 911 bens reconhecidos pela Unesco, entre eles, o Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto, em Minas Gerais, e o Parque Nacional de Fernando de Noronha, em Pernambuco.

 

Fonte: Revista Época e ARQ!BACANA

porblogartesana

ProAcústica e a revisão das normas do setor acústico

O Comitê brasileiro de Construção Civil, o CB02, da ABNT, deu prazo até setembro de 2012 para que a revisão das normas brasileiras de acústicas fossem apresentadas, com esse prazo finalmente as normas acústicas do país serão atualizadas e passarão para consulta pública, informa Davi Akkerman, presidente da ProAcústica (Associação Brasileira para a Qualidade Acústica).

No último dia 26 de junho de 2012, aconteceu um encontro no Bourboun Convention Ibirapuera, em São Paulo, para os associados da entidade (empresas, especialistas e profissionais do mercado de acústica) onde o principal tema em destaque foi a  revisão das normas acústicas.

Foram formados três grupos de trabalhos que cuidaram das seguintes questões:

  • NBR 10.151
  • NBR 10.152
  • tradução e adaptação da ISO 1996 (Acústica, Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente) que se tornará a norma brasileira de referência na área.

Durante o evento foi anunciado que a ProAcústica convidada pela Asbea (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura) fará parte do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade, da Câmara Ambiental da Construção, juntamente com o  Sinduscon-SP, Abramat, Afeal, Apeop, Asbea, Secovi, GT Rodovias da Câmara Ambiental, além da  Secretaria de Meio Ambiente, Cetesb, Secretaria Municipal de Habitação e Secretaria Estadual da Habitação (CDHU).  Seu papel será auxiliar no Macrozoneamento de Ruídos Urbanos, estudo que contemplará parâmetros e metodologias de medição para ruídos urbanos e sua interface com empreendimentos residenciais, comerciais e de serviços.

A Câmara Ambiental pretende  ainda aprofundar conhecimentos, elaborar instrumentos de orientação para o atendimento à legislação e normas técnicas relacionadas a ruídos urbanos e nos empreendimentos.

Outro tema tratado no encontro foi o Ensaio Interlaboratorial, promovido pela ProAcústica, que tem participação de vários laboratórios de medições acústicas de campo com o objetivo de avaliar a precisão dos métodos de acordo com as normas ISO 140-4 ou NBR 10151. Segundo Juan Frias, coordenador da Comissão de Edificações da ProAcústica, a participação do Ensaio Interlaboratorial é uma ferramenta imprescindível para o controle de qualidade e melhoria das empresas que atuam na área de medições acústicas de campo, pois permite conhecer o seu desempenho comparativamente aos dados obtidos pelas demais. Além de analisar os desvios, o procedimento contribui também para identificar erros na cadeia de medição que, de outra maneira, não seriam perceptíveis e, assim, realizar correções necessárias.

Outra participação importante no evento, foi  a do o professor Bento Coelho, do Instituto Superior Técnico, da Universidade Técnica de Lisboa e coordenador, aqui no Brasil, do curso de pós-graduação lato sensu “Formação em Engenharia Acústica de Edifícios e Ambiental”, promovido pela ProAcústica em parceria com a Escola Politécnica da USP (Poli), Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE) e Instituto Superior Técnico, da Universidade Técnica de Lisboa, Portugal (IST) , que palestrou sobre “Acústica de edifícios e ambiental”, abordando os aspectos da engenharia acústica relacionados com o desempenho dos edifícios e sobre mapeamento sonoro das cidades e gestão do ruído urbano.

A Artesana é uma associada a ProAcústica, Associação Brasileira para a Qualidade Acústica, uma entidade civil sem fins lucrativos que reúne empresas e profissionais para o desenvolvimento  da Acústica Aplicada no Brasil. Foi criada em março de 2011 para estimular iniciativas de combate à poluição sonora nas grandes cidades brasileiras, congrega profissionais do setor de conforto sonoro ambiental, fabricantes de produtos acústicos, escritórios de arquitetura, projetos e consultoria em acústica, empresas de instalação e distribuição, laboratórios e construtoras. A entidade colabora com a criação, revisão e desenvolvimento de normas técnicas ambientais, de materiais e aplicações acústicas. Tem como foco divulgar a importância das soluções acústicas para a saúde e qualidade de vida.

porblogartesana

Carpetes EcoBase – Resultado Natural Inspirado pela Natureza

No início de 2008 Desso tomou a decisão de seguir por uma via alternativa e de ir além do que a simples sustentabilidade. Desso determinou o objetivo de até 2020 produzir integralmente segundo os princípios Cradle to Cradle®. Embora a política de sustentabilidade geralmente consiste em regras para reduzir o impacto no ambiente, a metodologia Desso celebra o consumo de uma forma nova e positiva.

Ao inspirar-se no ciclo contínuo da natureza a Desso concebe e cria materiais que podem ser utilizados como matérias-primas dos sistemas biológicos ou industriais. Graças a utilização de energias sustentável e ao respeito da diversidade pela concepção Cradle to Cradle® , podemos garantir os benefícios ecológicos, sociais e econômicos das nossas atividades. Desso quer evitar a busca eficaz de objetivos errados e opta por mudanças fundamentais em direção a uma nova filosofia de design. Desta forma, garante ser o fabricante Europeu de carpetes em  placas com produtos feitos de materiais puros, que são seguros para a utilização humana e são biológica ou tecnologicamente recicláveis no final da sua vida útil. Chamamos a isto de eco-eficiência = Cradle to Cradle®.

O lançamento da Desso EcoBase® a nova base para carpetes especialmente projetada tendo em conta a sua desmontagem e reciclagem constitui um importante avanço.

Refinity®: ciclo contínuo

Em conjunto à concepção pioneira da EcoBase® está o esforço de criar um produto que possa ser decomposto para uma reutilização mais fácil dos seus componentes e materiais. Por esta razão, integrada no nosso projeto mais recente de um investimento milionário, a Desso  desenvolveu Refinity® , uma técnica de separação inovadora que permite separar o fio e outras fibras da base. Como resultado, esta técnica produz dois fluxos de materiais que podem depois ser reciclados. Graças a composição inovadora, a EcoBase® pode ser totalmente reciclável no próprio processo de produção. Após uma etapa de purificação adicional, o fio de poliamida (PA) volta a ser uma matéria-prima processada e devolvida aos fabricantes de fios, para a produção de novos fios. Os componentes da base de carpetes EcoBase® voltam a ser reutilizados para produzir uma nova base exatamente com as mesmas características. Isso resulta em um ciclo técnico contínuo.

Certificação Prata

O processo de certificação Cradle to Cradle® constitui para a Desso um marco importante. Este certificado é o resultado concreto de nossos esforços. Ela confirma que os produtos são ecologicamente seguros, e concebidos para serem reutilizados, Desso utiliza energia  sustentável e tem uma atitude responsável em relação à utilização da água. 75% dos carpetes em placas Desso já foram avaliados, tendo sido elaborado planos detalhados para a substituição de materiais considerados inadequados. Desso pretende que até 2020 todos os produtos sejam fabricados de acordo com os princípios Cradle to Cradle®.

Com o lançamento do EcoBase®, a Desso tornou-se a única fabricante de carpetes em placas no mundo a conseguir uma certificação Cradle to Cradle® Silver adquiridos em um produto completo de carpete, uma vez que 97 % das suas matérias obtiveram uma definição positiva *.

*Definição Positiva = define que todos os ingredientes estão classificados como “verdes” (ideal) ou “amarelo” (aceitável )

porblogartesana

Curso de drywall em São Paulo

Dia 17/05/2012 haverá curso de introdução técnica de projetar em drywall. Curso prático, baseado em exemplos do dia-a-dia, fundamental para quem deseja aproveitar bem as vantagens que o drywall oferece a quem projeta, constrói, mora ou trabalha em ambientes com essa tecnologia.

O curso é EXCLUSIVO aos profissionais arquitetos, engenheiros, designers de interiores e projetistas e tem duração de 5 horas.

A abordagem inicial é teórica seguida da apresentação de exemplos de situações mais frequentes e resolução monitorada de exercícios. Para maior rendimento, as turmas serão limitadas a 15 participantes, que receberão gratuitamente o Manual de Projeto de Sistemas Drywall e o Manual de Montagem de Sistemas Drywall, produzidos em parceria com a Editora Pini.

O curso será ministrado pelo instrutor e consultor técnico da Associação Drywall, Carlos Roberto de Luca na própria sede da Associação Drywall, situada na Rua Jilio Diniz 56 cj.41 na Vila Olímpia em São Paulo .

Inscrições: Associação Drywall