Vamos aprender sobre desempenho acústico em sistemas drywall?

porblogartesana

Vamos aprender sobre desempenho acústico em sistemas drywall?

Já é sabido como a acústica é um tema complexo, prejudicial à nossa saúde e cada vez mais em pauta. Neste Manual Prático de Acústica, você verá como o desempenho acústico de paredes de vedação interna em Drywall é uma solução inteligente para este problema.

Além de desconforto, o ruído é prejudicial à saúde, chegando ao ponto de causar surdez devido à exposição contínua a altos níveis sonoros. Existem diversas técnicas e produtos voltados para a construção civil que buscam adequar os ambientes às exigências de qualidade e de conforto acústico a fim de prover bem-estar às pessoas que vivem e trabalham no ambiente.

Em geral, o desconforto dentro de uma edificação é proveniente de ruídos externos, são propagados através das fachadas, e de ruídos internos transmitidos entre ambientes. Materiais destinados à isolação acústica minimizam a propagação desses ruídos, tornando-se uma solução.

No entanto, as exigências de desempenho variam de acordo com o tipo de edificação (residencial, comercial ou industrial), o local (urbano, rural, com e sem tráfego intenso de veículos e caminhões ou próximos a aeroportos) e a necessidade e sensibilidade ao controle de ruídos das próprias pessoas que convivem dentro e ao redor da edificação considerada. Desta forma, cada projeto deve ser desenvolvido especificamente para um ambiente, buscando atingir o máximo da qualidade acústica requerida.

 

Conceitos Básicos

Som: É a vibração que se propagada em um meio elástico e é percebida pelo sistema auditivo.

Percepção sonora: Capacidade de analisar e entender o som. O ouvido humano percebe sons nas frequências entre 20 e 20.000 Hz.

Frequência: número de vezes por segundo, em Hertz (Hz), em que são geradas ondas de pressão de som por uma fonte.

  • Sons graves – 125 a 250 Hz
  • Sons médios – 250 a 1.000 Hz
  • Sons agudos – 1.000 a 4.000 Hz
  • A frequência da voz humana está entre 500 e 2.000 Hz.
  • A medição do nível de pressão sonora que se assemelha à sensibilidade do ouvido humano é o dB.

Ruído: É uma onda sonora desordenada, ou seja, um som inarticulado e desagradável presente no ambiente ou ser transmitido a este. É algo subjetivo que varia de pessoa para pessoa. Os ruídos podem ser de transmissão aérea ou estrutural.

Conforto acústico: É uma condição importante de um ambiente no qual há boa inteligibilidade da fala e a ausência de sons indesejáveis no ambiente, provendo bem-estar.

Rw: Índice de redução do som transportado pelo ar medido em laboratório

DnT,w: Diferença padronizada de nível ponderada entre ambientes para ensaio de campo (mínimo exigido pela norma ABNT NBR 15575-4:2013).

Nota: os valores de desempenho de isolamento acústico medidos (DnT,w) tipicamente são inferiores aos obtidos em laboratório(Rw).

A diferença entre resultados depende das condições de contorno e execução dos sistemas e é estimada em 5 dB.

Propagação do som: Quando uma onda sonora incide sobre uma superfície ou parede, acontecem três fenômenos: reflexão, absorção e transmissão.

Propagacao_som

Reflexão: É o fenômeno que acontece quando a onda sonora se choca contra uma superfície e se reflete, retornando para o ambiente. Quanto mais densa e estanque for a superfície, maior será a reflexão.

Absorção e dissipação sonora: É a capacidade dos materiais ou sistemas construtivos absorverem e dissiparem o som, diminuindo o excesso de reflexões, tornando-o inteligível.

Reverberação: Persistência de um som refletido em um ambiente mesmo depois que a fonte cess Atenuação Acústica – Um termo usado em relação à transmissão entre quartos adjacentes que partilham uma plataforma de teto comum.

Absorção Acústica: A conversão da energia sonora em calor (por fricção) quando passa através de ou choca com um material ou quando causa um volume de ar para ressoam.

Atenuação Acústica: Um termo usado em relação à transmissão entre quartos adjacentes que partilham uma plataforma de teto comum.

Isolamento acústico: Termo geral que descreve a separação do som transportado pelo ar entre um espaço e outro com uma barreira no meio.

Isolação sonora: É a capacidade dos materiais ou sistemas construtivos reduzir a transmissão do som de determinado ambiente para os demais ambientes de formando uma barreira eles. Há duas maneiras de se isolar essa passagem do som:

1.      Utilizando paredes feitas de materiais de alta densidade

massa

Quanto maior a massa da parede, melhor será o desempenho acústico. A vibração da parede será dificultada pelo seu peso (Lei das Massas).

 

Sua eficiência esta ligada à espessura, isso é, muitas vezes isso pode gerar uma redução no espaço útil do ambiente devido ao aumento da espessura da parede.

2.      Utilizando o sistema construtivo Massa – Mola – Massa

Este é constituído de uma chapa de gesso, por exemplo, (massa), um “colchão” de ar ou um material que amortece e absorve a maior parte da onda sonora, quebrando sua intensidade (mola) e outra chapa de gesso (massa).

A fricção entre a onda sonora e o novo meio (o ar ou um material fibroso como a lã mineral) é o que faz deste sistema eficiente, isso porque a fricção faz com que uma parte da energia sonora seja convertida em calor, resultando em um aumento da isolação sonora.

massa-mola-massa

A eficiência do sistema massa-mola-massa é proporcionada pela descontinuidade dos meios.

 

Note, as imagens abaixo comparam a eficiência acústica em 60 dB entre os dois sistemas. É possível perceber que sistema massa–mola– massa permite que a parede tenha menor espessura e ainda promove menor peso estrutural (equivale a 10% do peso de concreto maciço).

desempenho-acustico-60dB

Abaixo comparemos o desempenho entre paredes de alvenaria convencional e suas equivalentes em drywall sem e com lã mineral:

parede-alvenaria

parede-alvenaria-1

Exigências da Norma

 

A tabela abaixo extraída da Norma de Desempenho (ABNT NBR 15.575-4:2013) estabelece o desempenho nas diferentes situações de separação entre ambientes, visando atender ao nível mínimo de desempenho.

Cada elemento de separação é identificado por letras (A a F), com o objetivo de facilitar a localização, na tabela abaixo, das configurações de paredes drywall que atendem a essas exigências. Algumas dessas paredes também atendem aos níveis intermediário e superior.

Valores_minimos_da_diferenca_padronizada

Valores mínimos da diferença padronizada de nível ponderada, DnT,w, entre ambientes

 

Tabela Padrões de Desempenho das Paredes Mrywall mais Comuns

Tabela Padrões de Desempenho das Paredes Mrywall mais Comuns

 

Designação das paredes

Para facilitar o entendimento da tabela acima, tomemos como exemplo o item 8: 193/70/A/MS/DES/2 ST 12,5 + 2 ST 12,5/BR/LM 50

193: refere-se à espessura total da parede (mm).

70: refere-se à largura dos montantes (mm).

A: refere-se a espaçamento entre os montantes (mm).

MS: refere-se a montante simples.

DES: refere-se à dupla estrutura separada.

2 ST 12,5: refere-se ao número, tipo e espessura de chapa de um lado.

2 ST 12,5: refere-se ao número, tipo e espessura de chapa do outro lado.

BR: refere-se à borda rebaixada.

LM 50: refere-se à lã mineral e espessura da manta ou painel.

 

Legendas

ST: Chapa standard.

RU: Chapa resistente à umidade.

RF: Chapa resistente ao fogo.

DES: Dupla estrutura separada.

CF: Corta fogo.

MD: Montante duplo.

Rw: Índice ponderado de redução de som aéreo medido em laboratório.

Dnt,w: Diferença padronizada de nível ponderada entre ambientes para ensaio de campo.

dB: Decibel.

MS: Montante simples.

BR: Borda rebaixada.

LM: Lã mineral.

LV: Lã de vidro.

LR: Lã de rocha

 

 

Norma de Desempenho

 

Os índices de desempenho apresentados pelas paredes em drywall na tabela Padrões de Desempenho das Paredes Drywall mais Comuns atendem requisitos da norma ABNT NBR 15.575:2013 Edifícios habitacionais – Desempenho Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas – SVVIE. Para melhor entendimento dos requisitos citados, a leitura dos itens da norma listados abaixo é recomendada:

7 – Segurança estrutural

7.1 – Estabilidade e resistência estrutural dos SVVIE (sistemas de vedações verticais internas e externas)

7.2 – Deslocamentos, fissuração e descolamentos nos SVVIE

7.3 – Solicitações de cargas proveniente de peças suspensas atuantes nos SVVIE – Tabela F.1

7.4 – Impacto de corpo mole nos SVVIE, com ou sem função estrutural – Tabela F.2

7.6 – Ações transmitidas por impactos nas portas

7.7 – Impacto de corpo duro incidente nos SVVIE, com ou sem função estrutural – Tabela F.6

8 – Segurança contra incêndio -Ver ABNT NBR 15758 – 1:2009

9 – Uso e operação – Ver ABNT NBR 15758 – 1:2009

10 – Estanqueidade

10.2 – Umidade nas vedações verticais internas e externas decorrente da ocupação do imóvel

12 – Desempenho acústico

12.2 – Níveis de ruído admitidos na habitação – Tabela 19 – Valores recomendados da diferença padronizada de nível, DnT,w, para ensaios de campo Tabela 20 – Índice de redução sonora ponderado dos componentes construtivos Rw, para ensaio de laboratório

14 – Durabilidade e manutenibilidade

15 – Saúde – Ver ABNT NBR 15758 – 1:2009

16 – Funcionalidade – Ver também 7.6 Ações transmitidas por impactos nas portas

18 – Adequação ambiental

 

Detalhes executivos

 

A execução dos detalhes construtivos seguintes é recomendada a fim de atender os parâmetros exigidos pela Norma de Desempenho:

Banda acústica

A banda acústica aplicada na estrutura de contorno da parede em drywall, guias e montantes, impedem não só a passagem de som por alguma fresta entre o perfil e o elemento estrutural, mas também evita que a onda sonora que atinge a parede transmita-se para os elementos estruturais por vibração.

banda_acustica_2banda_acustica

 

Instalações e isolação com lã mineral

Nos locais das paredes drywall com instalações de tubulação de água e esgoto, eletrodutos e caixas elétricas, as mantas de lã mineral deve ser cortada para criar encaixe e melhor acomodação em torno das peças.

la_mineral_1 la_mineral_2

Caixas elétricas

O posicionamento de caixas elétricas no alinhamento da parede drywall facilita a passagem de som de um lado para o outro o que compromete o desempenho acústico da parede. Por isso, recomenda-se a defasagem entre as peças de no mínimo 100 mm e o preenchimento com lã mineral no contorno e no fundo das peças.

caixa_eletrica

Vedação acústica recomendável nas aberturas

Deve haver o tratamento para evitar a passagem de som ou a transmissão de vibração na batida de porta no encontro entre o batente com o perfil de contorno das aberturas e no rebaixo do batente.

Recomenda-se que seja aplicada no rebaixo do batente uma batedeira de vedação para amortece a batida da porta e impede a passagem de som com a porta fechada. Já na parte de baixo da porta é recomendável a aplicação de elemento de vedação (selo acústico) para evitar a passagem de som pela fresta inferior.

 

Fixação de batente com parafuso

 

la_mineral_1

Antes da fixação do batente deve ser aplicada uma banda acústica nos perfis de contorno da abertura vedando a passagem de som.

 

 

Fixação de batente com espuma de poliuretano

poliuretano

Recomenda-se o preenchimento desses vazios com espuma de poliuretano não estrutural (mais econômico) nos espaços vazios entre os pontos da entre os pontos, impedindo a passagem do som passa de um lado para outro.

 

 

Tratamento acústico dos shafts

shaft

Para se evitar a transmissão de ruídos de descarga e águas servidas para os ambientes contíguos indica-se o tratamento acústico nas prumadas de esgoto e água. Este deve ser feito no fechamento do shaft com manta de lã mineral ou através de tubos bipartidos de lã mineral direto sobre os canos.

 

 

Referências Normativas

  • ABNT NBR – 10.151 – Avaliação de ruído em áreas habitadas
  • ABNT NBR – 10.152 (em revisão) – Níveis de ruído para conforto acústico
  • ABNT NBR – 14.715:2010 – Chapas de gesso para drywall Parte 1 – Requisitos
  • ABNT NBR – 15.217:2009 – Perfis de aço para sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall – Requisitos e métodos de ensaio.
  • ABNT NBR – 15.758:2009 – Sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall – Projeto e procedimentos executivos para montagem – Parte 1: Requisitos para sistemas usados como parede.
  • ABNT NBR – 15.575-4:2013 – Edifícios habitacionais– Desempenho – Parte 4: Requisitos para sistemas de vedações verticais internas e externas – SVVIE.
Fonte: 2ª Edição do Manual de Desempenho Acústico em Drywall, desenvolvido pela Associação Brasileira do Drywall.

Sobre o Autor

blogartesana administrator

1 comentário até agora

Vantagens e aplicações do Sistema Drywall | Blog da Artesana – Tudo sobre construção a secoPostado em3:34 pm - jan 14, 2016

[…] Vamos aprender sobre desempenho acústico em sistemas drywall? […]

Deixe uma resposta