Arquivo de tag construção

porblogartesana

Vantagens e aplicações do Sistema Drywall

Por Marketing Artesana

São muitas as vantagens oferecidas pelo drywall, use sempre os serviços de um profissional especializado para obter os melhores resultados, nos podemos indicar um profissional para lhe realizar a instalação.

  • Rapidez e limpeza na montagem – Uma parede, um forro ou um revestimento em drywall é executado com muita rapidez e gera muito pouco entulho. Por exemplo, a montagem de uma parede divisória para a criação de um novo ambiente em uma casa ou apartamento demora apenas 24 a 48 horas. Nesse prazo, a parede estará pronta, com porta, tomadas e interruptores instalados, pronta para receber a pintura final.
    Reformas fáceis – Em razão da rapidez e da limpeza na montagem dos sistemas drywall, reformar um imóvel ficou muito mais simples. E os sistemas drywall permitem soluções criativas, como uso de curvas, recortes para iluminação embutida e muito mais.

 

  • Manutenção e reparos – A mesma vantagem de rapidez e limpeza está presente na hora de se consertar um vazamento de água, por exemplo. Nesse caso, basta fazer com um serrote de ponta um pequeno recorte na chapa da parede, suficiente para permitir o conserto do encanamento, e depois fechar a parede com o mesmo pedaço de chapa. Um profissional especializado executa esse tipo de serviço em apenas um dia, sem o tradicional quebra-quebra das paredes comuns de tijolos ou blocos.

 

  • Precisão e qualidade de acabamento – Os sistemas drywall são precisos nas suas medidas e proporcionam uma qualidade de acabamento superficial única, perfeitamente lisa. Além disso, os sistemas drywall aceitam qualquer tipo de acabamento: pintura, textura, azulejos, pastilhas, mármore, granito, papel de parede, lambris de madeira, etc.

 

  • Isolamento de ruídos – Os sistemas drywall isolam melhor os sons e contribuem para tornar os ambientes mais confortáveis no que se refere à transmissão de ruídos.

 

  • Ganho de área útil – Como as paredes drywall são mais estreitas do que as de blocos ou tijolos, há um ganho na área útil. Esse ganho é de 5% aproximadamente. Por exemplo: em um apartamento de 100 m2, o ganho será de 5 m2, equivalente a 10 metros frontais de armários embutidos.

Aqui na Artesana você encontra toda a linha de sistema de parede de Drywall da Placo, confira a seguir:

Placa branca (ST) 
Indicada para aplicação em paredes forros e revestimentos em áreas secas como: corredores, salas de estar, dormitórios e etc.

Placa rosa (RF) 
Placa resistente ao fogo, aplicação semelhante á placa ST , porém com maior resistência ao fogo, podendo ser aplicada em áreas como saídas de emergência, escadas enclausuradas, CPD’s e etc.

Placa verde (RU)
Indicada para áreas úmidas, como: banheiros, lavabos, cozinhas e etc.
Não indicada para aplicação em áreas de saunas e piscinas.

 

Quer saber mais sobre este produto? Confira os artigos:

Vamos aprender sobre desempenho acústico em sistemas drywall?

Conheça os componentes do sistema Drywall e suas aplicações

Como garantir o desempenho máximo do sistema Drywall

 

porblogartesana

A importância de um Contrapiso bem feito: como identificar?

Por Marketing Artesana

A instalação de pisos vinilicos ou de cerâmica requer muito cuidado na preparação do contrapiso, atualmente as obras requerem grande velocidade e perfeição na sua execução. Há necessidade de várias atividades simultâneas, muitas vezes com dependência entre elas.Para exemplificar, é impossível colocar um acabamento de piso sem que a laje esteja pronta e regularizada com o contrapiso. Este artigo é para demostrar a importância do contrapiso não só para colocação dos pisos vinílicos mas também para assentar cerâmicas e acabamentos à base de madeira e outras fibras, como os carpetes.

Quando o projeto esta em andamento onde definimos cor e tipo de acabamento, muita gente esquece da importância do contrapiso, que é a base para aplicação dos revestimentos.

O contrapiso tem diversas funções dentro do sistema construtivo, dentre as mais importantes, destacam-se:

  • Servir de suporte para o revestimento de piso e seus componentes,
  • Corrigir pequenos desníveis na laje do piso,
  • Resistir às cargas atuantes durante a utilização, sem apresentar rupturas,
  • Embutir tubulações elétricas e hidráulicas,
  • Incorporar sistemas de impermeabilização,
  • Complementar sistemas de isolamento acústico ou térmico,
  • Proporcionar os caimentos necessários para os diversos tipos de uso dos ambientes,

Como deve ser o aspecto de um contrapiso bem feito?

O bom desempenho do contrapíso está diretamente relacionado à algumas características e propriedades que devem ser observadas em sua execução, tais como:

 

  • Aspereza, determinada em função da granulometria da areia utilizada,
  • Poucas Ondulações. O resultado esperado é obtido face ao método de desempeno utilizado e da habilidade e capricho do profissional.
  • Resistência mecânica, decorrente dos materiais utilizados e de suas dosagens. Recomenda-se argamassa com traço de 1:3, respectivamente, para cimento e areia.
  • Quantidade de água da mistura e etapas de execução. A água deve ser a estritamente necessária, nem mais nem menos, e a argamassa deve ser espalhada em pequenas camadas, devidamente adensadas, se a espessura a cobrir for superior a 2 ou 3 centímetros.
  • Capacidade de absorver as movimentações naturais da estrutura.

A observação de algumas características do contrapiso tem fundamental importância na durabilidade do revestimento nele instalado. Por isso, deve-se conhecer inicialmente o local a ser revestido e o estágio de execução da obra. Com isso, será possível orientar ao executor as características necessárias ou realizar a avaliação de um contrapiso já existente.

Como Executar Contra-piso, Passo a Passo!
Agora que já vimos a importância e principais características dos contrapisos, vamos literalmente por a mão na massa, vendo passo-a-passo como fazer um bom contrapiso. A massa do contrapiso deve ser bem seca, parecido como uma farofa. Acompanhe: 

  • Após limpar a base e retirar todos os restos de argamassa, entulho ou qualquer material aderido o primeiro passo é fazer a tranferência de nível com o auxílio de um nível de mangueira (ou nível laser) a partir do nível de referência;
  • Marcar a altura do contrapiso com o auxílio de uma trena;
  • Sobre a superfície limpa, jogar uma mistura de água e adesivo na área onde as taliscas serão executadas;
  • Polvilhar cimento sobre a mistura;
  • Com a ajuda de um vassourão, escovar a massa. Essa mistura serve de ponte de aderência entre a laje e o contrapiso;
  • Colocar a argamassa sobre a superfície;
  • Depois de nivelar a argamassa, colocar a talisca (um pedaço de cerâmica ou madeira);
  • Com auxílio da trena e prevendo o caimento no sentido dos ralos, conforme o projeto, confira a altura do nível do contrapiso. Faça as outras taliscas do local;
  • Com um fio esticado, confira a altura das taliscas;
  • Aplicar sobre toda a base a mistura de aditivo e água;
  • Em seguida, polvilhar cimento sobre toda a base;
  • Com o auxílio do vassourão, escovar toda a área;
  • Jogar a “farofa” do contrapiso;
  • Com a ajuda de uma enxada, preencher os intervalos entre as taliscas, espalhando a argamassa em movimentos contínuos, para que não seque rápido demais;
  • A argamassa deve ser compactada com um soquete de madeira. Esse processo deve ser feito até que a argamassa de contrapiso chegue no nível marcado com o fio;
  • Após compactar a argamassa, sarrafear com movimento de vai-e-vem, apoiando a régua de alumínio nas taliscas;
  • Sarrafear a sobra até que a superfície alcance o nível das faixas em todos os lados da área do contrapiso;
  • Sobre as falhas e pequenos buracos, colocar um pouco de argamassa e nivelar a superfície até ficar totalmente lisa;
  • Desempenar a massa, alisando e dando o acabamento final no trabalho com o auxílio de uma desempenadeira de madeira (ou de alumínio, se necessário);

Esperamos que este artigo tenha contribuído para sanar algumas dúvidas sobre contrapiso.

Confiram nosso site a linha de pisos vinilicos e mantas.

 

Fontes:

Forum da Construção

100 pepinos

 

porblogartesana

Atrações Museu da Casa Brasileira

Por Marketing Artesana

Ficar por dento das atrações sobre arquitetura é bem bacana não é verdade?!

No mês de outubro e novembro,  o Museu da casa Brasileira, irá desenvolver várias atividades ligadas arquitetura além de exposições e premiações no ramo da construção o cronograma apresenta muita novidade atrações com um conteúdo super importante para quem pretende estar sempre antenado nas novidades.

Confira mais detalhes no site aproveitando o enredo confira o novo site da Artesana:

http://www.mcb.org.br/

porblogartesana

Manutenção de ferramentas manuais

Por Marketing Artesana

Recentemente publicamos uma matéria sobre Manutenção de Ferramentas Elétricas, e para seguir o tema que tal lembrar das ferramentas manuais? Afinal nem sempre temos como utilizar o auxilio das ferramentas elétricas não é mesmo?

A maioria das ferramentas possui um tempo útil de uso bastante extenso, porém, em alguns casos, mesmo com todos os cuidados que temos, cedo ou tarde os primeiros sinais de ferrugem começam a aparecer. Há outros casos onde a falta de cuidados básicos faz com que as ferramentas se estraguem mais rápido, seja pela forma como estão sendo usadas ou pelo local onde são guardadas.

Ferramentas Manuais

As peças de uma máquina/equipamento e as ferramentas manuais, por exemplo, podem enferrujar rapidamente se forem limpas com água ou expostas a chuva. Além disso, se ficarem longos períodos sem serem utilizadas, também podem se oxidar e deteriorar.

Espatula de Gesso

Para evitar que isso ocorra, basta aplicar um pouco de óleo anticorrosivo a cada seis meses e remover o excesso com um pano após alguns minutos, em vez de fazer a limpeza com água. O óleo também serve para limpar ferrugens leves. Quando estiverem sujas, as partes metálicas podem ser limpas com graxa ou vaselina.

Limpeza de Ferramenta

Outra dica é guardar as ferramentas em locais secos, de preferência em uma caixa especifica, e em temperatura ambiente para evitar o acúmulo de umidade. Você também pode colocar pedaços de giz na sua caixa de ferramentas: ele absorve o excesso de umidade e evitar a formação de ferrugem.

 

Bem essas são as dicas sobre como manter o tempo útil das ferramentas manuais, aproveitando o tema que tal conferir as ofertas de ferramentas no site da Artesana. Clique e confira.

 

 

porblogartesana

Manutenção Ferramentas Elétricas

Por: Marketing Artesana

Você sabia que pequenas ações podem aumentar (e muito) a vida útil de seus equipamentos? Como por exemplo, uma simples limpeza e ou até mesmo o modo como você guardar sua ferramenta.

Sabemos que as ferramentas elétricas e manuais são itens indispensáveis nas obras, mas devido à correria do dia a dia não realizamos atitudes simples para melhor durabilidade e até mesmo funcionalidade dos equipamentos. Pensando nisso, iremos destacar algumas atitudes simples para melhor funcionalidade se seus equipamentos.

É importante dizer que há várias condições a se levar em conta na hora de usar uma ferramenta elétrica: os resíduos que serão gerados, os materiais que serão trabalhados, a temperatura ambiente e umidade. Algumas orientações são importantes para conseguir melhor desempenho e maior vida útil do equipamento.

Recomendações básicas para manter sua ferramenta em bom estado

  • Limpe sempre a ferramenta após o uso. Se possível, em alguns casos, utilize compressor de ar;
Foto Marcelo Scandaroli

Limpeza Ferramenta

  • O motor das ferramentas elétricas é refrigerado a ar. Se as entradas ou saídas de ar estiverem obstruídas por resíduos, o motor poderá esquentar e queimar;
Foto Marcelo Scandaroli

Cuidado ao limpar o motor

  • Quando necessitar de uma extensão, observe a compatibilidade de diâmetro dos fios. Quanto mais longa a extensão, maior deverá ser o diâmetro do fio;
Observe a compatibilidade de diâmetro dos fios

Observe a compatibilidade de diâmetro dos fios

  • É muito comum trabalhadores cortarem o plugue da ferramenta, a tomada que encaixa na fonte de força. Isso não deve ser feito. Ele garante a passagem da energia de forma estável, sem oscilações e evita curtos.
Não corte plugs das ferramentas

Não corte plugs das ferramentas

  • Mantenha os acessórios em boas condições de uso. Se uma broca, serra ou lâmina estão cegos, sem cume de corte, isso vai exigir mais do equipamento, danificando-o mais rapidamente;
Mantenha os acessórios em boas condições de uso

Mantenha os acessórios em boas condições de uso

  • Luvas de couro, óculos de proteção contra fagulhas, protetor auditivo (auricular) e sapatos de segurança (com bico de aço) são necessários, conforme o caso, ao operar equipamentos. Fique atento à NR-18;
Importante utilizar EPI

Importante utilizar EPI ao operar equipamentos 

  • Cada ferramenta tem um ruído considerado normal. Quando observar ruído anormal, cesse o uso. A ferramenta deve ser encaminhada a uma assistência técnica autorizada e, se for necessário, devem ser substituídas as peças danificadas;
    Quando observar ruído anormal, cesse o uso.

    Quando observar ruído anormal, cesse o uso.

     

  • Há peças que se desgastam naturalmente, como rolamentos, retentores de graxa, anéis de feltro, anéis de borracha e escovas de carvão (foto). São peças baratas e que, se substituídas periodicamente, evitam gastos maiores.
Tenha o cuidado de trocar peças simples

Tenha o cuidado de trocar peças simples

Fica a dica:

Para limpar a ferramenta utilize um pano seco, nunca úmido, ou um pincel seco. Armazene também em lugar seco. Se a ferramenta acompanhar uma maleta plástica, este é o melhor lugar para guardá-la. Confira o site da Artesana e confira as ofertas do Aniversário Campeão.

Ofertas Ferramentas Elétricas e Manuais

Ofertas Ferramentas Elétricas e Manuais

 

 

 

 

 

 

Fonte: Revista Equipe de Obra – Edição 22