Arquivo de tag forro

porblogartesana

QUAL É O MELHOR TIPO DE FORRO?

Escolher o forro ideal para o local que você vai construir ou reformar depende de vários fatores, tais como:

  • Valor do m².
  • Mão de obra: alguns materiais exigem mão de obra especializada e, consequentemente, mais cara.
  • Conforto: em muitos ambientes o conforto termo-acústico é fundamental.
  • Manutenção e durabilidade: forros naturais geralmente exigem muito mais com manutenção porque são mais sensíveis à umidade (mofo) e à pragas naturais como o cupim. Por esse mesmo motivo eles também duram menos.
  • Estética: o resultado visual do seu forro também é muito importante, especialmente em ambientes comerciais temáticos.

 

Depois de considerar um a um esses aspectos, não é tão difícil escolher o material mais adequado para sua obra.  Seguem então as características dos nove principais tipos de forro para ajudar você nessa importante decisão:

 

Forro de gesso

Forros confeccionados com placas de gesso de diversos tipos, gesso comum, gesso especial, pode receber diversos tipos de acabamento.

O acabamento do forro acartonado, pode ser efetuado de diversas formas, receber pintura, revestimento de fórmica, dependendo da umidade do local.

Forros feitos em gesso comum ou estrutural têm alta resistência e beleza com isolamento térmico e acústico.

 

Forro de isopor

Poliestireno expandido, são placas de isopor com aplicação de massa acrílica – material impermeável na cor branca – que apresentam bom acabamento, proporcionando economia pela diminuição de consumo de energia do ar-condicionado,  permitindo instalar aparelhos de menor potência. Os forros de isopor, oferecem economia, perfeição e segurança.

 

 Forro mineral

O forro de fibra mineral apresenta um desempenho superior em tratamento acústico, resistência ao fogo e resistência à umidade, retardando ou até inibindo o desenvolvimento de mofo e fungos. O forro mineral é indicado para ambientes comerciais em geral. É modulado e removível, diferenciando-se dos sistemas comuns, pois apresenta flexibilidade e diversos tipos de acabamento com variadas texturas.

 

Forro de PVC

O PVC (cloreto de polivinila) é um material plástico que se obtém a partir de duas matérias primas naturais: o petróleo (43%) e o sal (57%). Isto faz do PVC um dos materiais mais econômicos em termos de uso de recursos não renováveis. É também o plástico mais estudado a nível mundial e é totalmente reciclável.

Diferentemente de outros tipos de forro, o PVC é inócuo, durável, não propagador de chama, isolador térmico, elétrico e acústico, resistente ao ataques, intempérie, corrosão, além de ser extremamente leve.

 

 Forro de lã de rocha

São painéis em lã de rocha basáltica de alta densidade, rígidos revestidos em sua face visível com um filme de PVC texturizado e autoextinguível. Devido à sua alta resistência térmica, auxilia na conservação de temperaturas em ambientes climatizados e proporciona conforto térmico em condições naturais. Apresenta valores de reflexão de luz da ordem de 79% e resistência ao fogo.

 

Forro de lã de vidro

O forro de lã de vidro é o isolante termo-acústico mais comum usado na construção civil, pois colabora com o conforto térmico e acústico dos prédios comerciais e residenciais. Esse forro é produzido em forno alto, à partir de sílica e sódio, aglomerados de resinas sintéticas, desenvolvidas para melhorar o isolamento termo acústico. As placas são removíveis, permitindo o acesso a sobre o forro.

 

Para escolher o seu forro, acesse: www.artesana.com.br ou clique aqui.

porblogartesana

FORROS EM PVC

forro-pvc

O Forro em PVC pode ser liso ou frisados, nas medidas 200mm de largura e 8, 10 e 12mm de espessura.

A aplicação pode ser feita em residências, escritórios, clubes, supermercados, igrejas, postos de gasolina, hospitais, cozinhas industriais e onde mais você imaginar.

Com segurança e conforto foi  produzido a partir de materiais auto-extinguíveis, o forro de PVC não propaga chamas em caso de incêndio. Além disso, possui excelentes propriedades termoacústicas. Segurança e conforto garantidos.

Em sua versatilidade pode ser utilizado como divisórias, lambris e acabamentos em geral. Oferece as mais variada combinações com luminárias.

No quesito limpeza, sua superfície lisa e brilhante permite rápida limpeza, apenas com água e sabão. Prático: não mancha e não requer pintura.

 

 

Acesse: Forros em PVC – Artesana.

 

 

 

 

 

porblogartesana

Atrações Museu da Casa Brasileira

Por Marketing Artesana

Ficar por dento das atrações sobre arquitetura é bem bacana não é verdade?!

No mês de outubro e novembro,  o Museu da casa Brasileira, irá desenvolver várias atividades ligadas arquitetura além de exposições e premiações no ramo da construção o cronograma apresenta muita novidade atrações com um conteúdo super importante para quem pretende estar sempre antenado nas novidades.

Confira mais detalhes no site aproveitando o enredo confira o novo site da Artesana:

http://www.mcb.org.br/

porblogartesana

Manutenção de ferramentas manuais

Por Marketing Artesana

Recentemente publicamos uma matéria sobre Manutenção de Ferramentas Elétricas, e para seguir o tema que tal lembrar das ferramentas manuais? Afinal nem sempre temos como utilizar o auxilio das ferramentas elétricas não é mesmo?

A maioria das ferramentas possui um tempo útil de uso bastante extenso, porém, em alguns casos, mesmo com todos os cuidados que temos, cedo ou tarde os primeiros sinais de ferrugem começam a aparecer. Há outros casos onde a falta de cuidados básicos faz com que as ferramentas se estraguem mais rápido, seja pela forma como estão sendo usadas ou pelo local onde são guardadas.

Ferramentas Manuais

As peças de uma máquina/equipamento e as ferramentas manuais, por exemplo, podem enferrujar rapidamente se forem limpas com água ou expostas a chuva. Além disso, se ficarem longos períodos sem serem utilizadas, também podem se oxidar e deteriorar.

Espatula de Gesso

Para evitar que isso ocorra, basta aplicar um pouco de óleo anticorrosivo a cada seis meses e remover o excesso com um pano após alguns minutos, em vez de fazer a limpeza com água. O óleo também serve para limpar ferrugens leves. Quando estiverem sujas, as partes metálicas podem ser limpas com graxa ou vaselina.

Limpeza de Ferramenta

Outra dica é guardar as ferramentas em locais secos, de preferência em uma caixa especifica, e em temperatura ambiente para evitar o acúmulo de umidade. Você também pode colocar pedaços de giz na sua caixa de ferramentas: ele absorve o excesso de umidade e evitar a formação de ferrugem.

 

Bem essas são as dicas sobre como manter o tempo útil das ferramentas manuais, aproveitando o tema que tal conferir as ofertas de ferramentas no site da Artesana. Clique e confira.

 

 

porblogartesana

Manutenção Ferramentas Elétricas

Por: Marketing Artesana

Você sabia que pequenas ações podem aumentar (e muito) a vida útil de seus equipamentos? Como por exemplo, uma simples limpeza e ou até mesmo o modo como você guardar sua ferramenta.

Sabemos que as ferramentas elétricas e manuais são itens indispensáveis nas obras, mas devido à correria do dia a dia não realizamos atitudes simples para melhor durabilidade e até mesmo funcionalidade dos equipamentos. Pensando nisso, iremos destacar algumas atitudes simples para melhor funcionalidade se seus equipamentos.

É importante dizer que há várias condições a se levar em conta na hora de usar uma ferramenta elétrica: os resíduos que serão gerados, os materiais que serão trabalhados, a temperatura ambiente e umidade. Algumas orientações são importantes para conseguir melhor desempenho e maior vida útil do equipamento.

Recomendações básicas para manter sua ferramenta em bom estado

  • Limpe sempre a ferramenta após o uso. Se possível, em alguns casos, utilize compressor de ar;
Foto Marcelo Scandaroli

Limpeza Ferramenta

  • O motor das ferramentas elétricas é refrigerado a ar. Se as entradas ou saídas de ar estiverem obstruídas por resíduos, o motor poderá esquentar e queimar;
Foto Marcelo Scandaroli

Cuidado ao limpar o motor

  • Quando necessitar de uma extensão, observe a compatibilidade de diâmetro dos fios. Quanto mais longa a extensão, maior deverá ser o diâmetro do fio;
Observe a compatibilidade de diâmetro dos fios

Observe a compatibilidade de diâmetro dos fios

  • É muito comum trabalhadores cortarem o plugue da ferramenta, a tomada que encaixa na fonte de força. Isso não deve ser feito. Ele garante a passagem da energia de forma estável, sem oscilações e evita curtos.
Não corte plugs das ferramentas

Não corte plugs das ferramentas

  • Mantenha os acessórios em boas condições de uso. Se uma broca, serra ou lâmina estão cegos, sem cume de corte, isso vai exigir mais do equipamento, danificando-o mais rapidamente;
Mantenha os acessórios em boas condições de uso

Mantenha os acessórios em boas condições de uso

  • Luvas de couro, óculos de proteção contra fagulhas, protetor auditivo (auricular) e sapatos de segurança (com bico de aço) são necessários, conforme o caso, ao operar equipamentos. Fique atento à NR-18;
Importante utilizar EPI

Importante utilizar EPI ao operar equipamentos 

  • Cada ferramenta tem um ruído considerado normal. Quando observar ruído anormal, cesse o uso. A ferramenta deve ser encaminhada a uma assistência técnica autorizada e, se for necessário, devem ser substituídas as peças danificadas;
    Quando observar ruído anormal, cesse o uso.

    Quando observar ruído anormal, cesse o uso.

     

  • Há peças que se desgastam naturalmente, como rolamentos, retentores de graxa, anéis de feltro, anéis de borracha e escovas de carvão (foto). São peças baratas e que, se substituídas periodicamente, evitam gastos maiores.
Tenha o cuidado de trocar peças simples

Tenha o cuidado de trocar peças simples

Fica a dica:

Para limpar a ferramenta utilize um pano seco, nunca úmido, ou um pincel seco. Armazene também em lugar seco. Se a ferramenta acompanhar uma maleta plástica, este é o melhor lugar para guardá-la. Confira o site da Artesana e confira as ofertas do Aniversário Campeão.

Ofertas Ferramentas Elétricas e Manuais

Ofertas Ferramentas Elétricas e Manuais

 

 

 

 

 

 

Fonte: Revista Equipe de Obra – Edição 22